Olá pessoal,

Após muitas discussões e algumas incipientes ações, decidimos organizar os encontros da Apoena de forma mais sistemática. Para isso ficou definido um encontro semanal na sala SC004, que é a sala onde ocorre a maior parte das aulas de Filosofia e estará vaga para que possamos nos reunir na sexta-feira no período da tarde. O caráter público nos parece importante para dar acesso aos outros alunos ao que estamos discutindo e podermos construir propostas em conjunto referentes à Filosofia Apoenista. Para tanto venho convidá-las(os) para a reunião a ser realizada pelo Apoena em 14/10/2011 das 13:00 às 16:00 horas, na sala SC004 do Bloco Sigma (vulgo sala de Filosofia). Ficou decidido que será realizada a exegese de um texto filosófico que trate da questão: O que é Filosofia? Em seguida haverá uma discussão aberta e logo depois os encaminhamentos referentes as atividades regulares do grupo. Favor convidar a todas(os) as(os) interessadas(os). A proposta é que essas reuniões sejam abertas ao público em geral e tenham a periodicidade semanal. ATT

No 8º dia do mês de Junho de 2011, foi realizada a terceira reunião de um grupo de alunas e alunos interessados em formar um grupo de Filosofia na UFABC. Denominamos tais reuniões como atos, onde em um palco qualquer construímos e destruímos representações de mundo.

Membros presentes:

Alex Luppe

Ana

Gabriel Gomes Munhoz

Rafael Cavalcanti

Apresentação da nova integrante:

Ana, 19 anos

Lia romances filosóficos de Jostein Gaarder – “O Dia do Curinga”, “O Mundo de Sofia” – com 11 anos. Construiu daí uma idéia de filosofia mas nunca pensou nela como um fim, como atividade, mas como meio, um hobby que cultivava certo gosto pela literatura filosófica. Estudou em Escola Técnica com olhar fechado, reducionista. Estudou Informática para Biotecnologia, em busca dos códigos da genética, em busca do funcionamento dos organismos, da vida. Posteriormente estudou Neurociência, mas se desiludiu com as explicações robóticas para o funcionamento da mente. Até que um dia, no Café com Políticas Públicas na UFABC, teve um insight, uma idéia espontânea de uma área onde reuniria todos estes interesses: “Vou fazer Filosofia” – “Eu saí da Caverna”. Se encontrou na Filosofia, a mãe das ciências, o conhecer pelas causas que interliga os saberes, as ciências.

Interesses Filosóficos: Filosofia da Mente, Estética, Ética.

Frase/Pensamento – Duas coisas me enchem a alma de crescente admiração e respeito, quanto mais intensa e freqüentemente o pensamento delas se ocupa: o céu estrelado sobre mim e a lei moral dentro de mim. Immanuel Kant.

Temas abordados

1 – Viagens, visitas a lugares e reflexões.

2 – Experiências de mundo em viagens e seus desdobramentos pessoais.

3 – Pensamento e percepções da Morte ou do Não-existir, Não-ser.

4 – Consciência da Primeira Memória.

5 – Cosmos, infinito, mundo dentro de mundos. Metafísica das criações explicativas do Universo, do tudo e do nada.

6 – Paramos e resolvemos escrever isso tudo numa folha.

Encaminhamentos

Foi uma conversa com os tópicos mais abrangentes, intimistas, reflexivos que tivemos. Detectamos por nossos tópicos certo apelo ao desconhecido, apelo ao querer sentir, querer experimentar, querer compreender o que está envolvido em mistério e que talvez saibamos que mesmo tentando muito, em uma única patética existência, não consigamos chegar lá, seja qual interesse ou área for. Mas nem tudo é cinza, fechamos o dia com algumas frases, com algumas máximas que certamente ressoarão em nossas memórias.

Alex Luppe, 22

“Não tires o que não podes me dar” variantes “Saia da frente do meu Sol”. Diógenes, o Cínico de Sínope.

Ana, 19

“Minha primeira lembrança é The End”. Em nossa conversa sobre a primeira lembrança de vida, “The End” é uma música que até hoje lembra a melodia mas não lembra de quem é.

Gabriel, 19

“O que move o barco no mar não é a vela enfurnada, mas o vento que não se vê” – Platão

Rafael, 25

Solidão, o silêncio das estrelas, a ilusão
Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos
Como um deus e amanheço mortal

E assim, repetindo os mesmos erros, dói em mim
Ver que toda essa procura não tem fim
E o que é que eu procuro afinal?

Um sinal, uma porta pro infinito, o irreal
O que não pode ser dito, afinal
Ser um homem em busca de mais, de mais…
Afinal, feito estrelas que brilham em paz, em paz…

Solidão, o silêncio das estrelas, a ilusão
Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos
Como um deus e amanheço mortal

Um sinal, uma porta pro infinito, o irreal
O que não pode ser dito, afinal
Ser um homem em busca de mais…

Lenine – Silêncio das Estrelas – Ps: A Tatyane não estava no dia. Hahahahahahahaha!!!!

+ + + + + + + +

Eu já me perguntei se o tempo poderá realizar meus sonhos e desejos, será que eu já não sei por onde procurar ou todos os caminhos dão no mesmo e o certo é que eu não sei o que virá só posso te pedir que nunca se leve tão a sério nunca se deixe levar, que a vida é parte do mistério, é tanta coisa pra se desvendar

Por tudo que eu andei e o tanto que faltar, não dá pra se prever nem o futuro, o escuro que se vê quem sabe pode iluminar os corações perdidos sobre o muro e o certo que eu não sei o que virá, só posso te pedir que nunca se leve tão a serio, nunca se deixe levar que a vida, a nossa vida passa e não há tempo pra desperdiçar.

Lenine – Todos os caminhos.

——

Post addendum – 3º dia do mês de outubro.

Felipe Lujan, 24 anos

Desde criança se interessa por assuntos filosóficos. Quando pequeno seus interesses abrangiam vários assuntos. Desde computação e programação à Filosofia, Matemática e o funcionamento das sociedades. Tem Grande interesse no estudo do anarquismo, do feminismo, da história das religiões e das Artes. Passou em Biomédica na USP e Engenhaia na UFABC. Preferiu a UFABC, onde se viu decepcionado com a Engenharia e o comportamento mecânico-racionalista que tendia para o curso, sem muitos questionamentos. Se atraiu com a carga diversificada nos cursos de Humanidades dentro da UFABC, onde o posicianamento e o questionamento era não só bem-vindo como estimulado.

Interesses Filosóficos: Anarca-feminismo, história das religiões, das artes e da ciência, pos-modernidade, estética, ontologia e retórica.

No 25º dia do mês de Maio de 2011, foi realizada a segunda reunião de um grupo de alunos(as) interessados em formar um grupo de filosofia na UFABC. Tais reuniões passam a ser denominadas atos, sendo este que se apresenta o primeiro de muitos que hão de vir.

Membros presentes:

Alex Luppe

Gabriel Gomes Munhoz

Rafael Bernardo Karamázov

Rafael Cavalcanti

Tatyane Estrela

Temas abordados

1 – A filosofia particular do grupo, em busca da formação identitária do grupo.

2 – Projeto de extensão: Divulgar a filosofia como curso, tema e atividade intelectual e profissional tanto internamente quanto externamente à UFABC.

Citados como possíveis docentes apoiadores da proposta, Patrícia Del Nero Velasco, segue lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=K4771899U2

Anastasia Guidi Itokazu, segue lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=K4768942D0

Questões: o que? como? onde? e quando fazer?

Integrar os interessados em filosofia e criar um blog para a difusão de nossas atividades.

No início de cada reunião, os participantes devem trazer algo que marcou, podendo ser poesia, pensamento filosófico ou artístico. Além disso, deve ser feita a apresentação do membro, sua trajetória intelectual e relação com a filosofia, e os temas filosóficos de interesse.

3 – Papel do grupo

Reunir pessoas afins com a filosofia, divulgação filosófica, aproximação de alunos interessados por filosofia. Fortalecer a filosofia entre os docentes e aumentar o número de interessados pelo cursos tanto no ensino médio como na UFABC. Formular materiais informativos sobre filosofia. Pensar a representatividade da UFABC na região. Dar uma visão nova da filosofia, retirando da visão de sobrevoo que ela se encontra.

Apresentação dos membros:

Bernardo

Em processo de transformação, transição do BC&T (Bacharelado em Ciência e Tecnologia) para o BC&H (Bacharelado em Ciências e Humanidades). Desconstruindo-se e reconstruindo-se rumo ao pensamento estético. Participa do curso de Temas e Problemas em Filosofia, além dos primeiros cursos do BC&H. A opressão sofrida durante suas atividades o levou a filosofia, e após seus primeiros estudos independentes percebeu que precisava se aprofundar mais. O despertar ocorreu quando cursava o BC&T e via a filosofia como algo complementar. Parmênides, Heráclito e Nietzsche são referências relevantes. Nestes autores, observa a filosofia como voltada ao conhecimento, auto-análise, existência, psicanálise e psicologia.  Tem interesse pelo movimento  existencialista sartreano. Cita Gilberto Gil: “O melhor do mundo é aqui e agora”. Viu que a filosofia da UFABC lhe permitiria aprender Ciência, devido a liberdade acadêmica.

Interesses filosóficos: metafísica e filosofia da ciência.

“O homem é a medida de todas as coisas” Parmênides.

Alex, 22 anos

Teve um despertar para o ato de pensar no ensino médio, devido a professores que o instigaram. Não busca verdades, nem respostas, nem a identidade própria, apenas quer algo para passar aos outros. Atua em programas de ensino e tem interesse por ensino de filosofia, embora ministre aulas de história. Um dos meios de estímulo que considera importante é caminhar em grupo, dada as vivências plurais possibilitadas, busca o compartilhamento destas vivências, encara isso como um certo tipo de completude pessoal. Viajou pela América Latina, inclusive visitando Machu Picchu. Se preocupa com o ato de se comunicar, usar a linguagem e os mais diversos pensamentos para chegar até as pessoas. Vê a filosofia como algo que exige argumentação e como caminho inicial.

Interesses filosóficos:  Contemporâneidade, Comunicação, Ciências Sociais e Política, Cinismo e Didática no pensamento da Grécia Antiga.

“Nada está dado, tudo está para ser construído” Sartre.

Gabriel, 19 anos

Quando mais novo, a família lhe cobrava que tivesse uma profissão “respeitável”, filosofia não seria uma delas, mas engenharia e arquitetura atendia ao requisito. Fez orientação vocacional para tentar se encontrar entre as 10 carreiras que tinha em dúvida. A filosofia o fascinava como algo que levava a reflexão e permitia desmontar discursos. Não queria algo pronto, queria saber o por quê das coisas. Tinha medo de desperdiçar sua vida como algo prático. Entendia a filosofia como ferramenta para a compreensão da vida. De início a mãe não aceitou a opção do filho e queria entender as razões da escolha. Em resposta, disse obter prazer em observar os detalhes e se questionar sobre tudo. Teve uma experiência marcante com a UFABC. Cursou Filosofia na PUC-SP e na Unifesp e estava em dúvida quanto a UFABC. Mas após ler o projeto da UFABC, decidiu pela nossa inovadora instituição.

Interesses filosóficos: Epistemologia, historia da ciencia, metafisica, estetica…

Trecho da música: O que é bonito?

“O que é bonito

É o que persegue o infinito

Mas eu não sou

Eu não sou, não…

Eu gosto é do inacabado

O imperfeito, o estragado que dançou

O que dançou…

Eu quero mais erosão

Menos granito

Namorar o zero e o não”

Rafael Braga, 25 anos

O interesse pela filosofia surge ao observar ter um olhar crítico desde a tenra infância e seus conflitos com a religião. Via que havia algo de errado, devido as contradições na religiosidade. Com o tempo começou a ler jornais de esportes e política, e começou a se interessar por política. Vindo de escola pública, se preocupava com as desigualdades sociais e corrupção. Ao ver tantos absurdos, teve sua crítica aumentada. Sempre gostou de geo-política e filosofia na escola. Como teve bons professores nessas áreas, logo despertou seu interesse pela filosofia. Sua entrada no curso de filosofia foi aos 24 anos. Haviam pressões para ganhar dinheiro, o que atrasou sua entrada no curso. Considera ruim pessoas estudarem o que não gostam. Com 16 anos passou a expressar suas angústias por meio de poesias. Cursou por 2 semestres redes de computadores, depois se dedicou integralmente ao trabalho. Também cursou o técnico em desenho de projetos no Senai, embora insatisfeito concluiu o curso, mas não se identificava com esta área. Conheceu a Nova Acrópole, onde se iniciou nos estudos de filosofia oriental. Na Nova Acrópole a filosofia é vista como o amor a sabedoria, e a expressão “à maneira clássica” tem o significado de ir além da teoria, de fazer a filosofia refletir na vida prática. Ética, modo de vida e os estudos de todas as religiões fazem parte da prática desta instituição. O contato com o foco no auto-conhecimento o fez observar que a insatisfação com o mundo tinha profunda relação com ele e pensava em fazer sua parte. Descobriu o prazer no estudo da filosofia. Ao ver a oportunidade na UFABC, veio para a instituição e está satisfeito como nunca antes.

Interesses filosóficos: metafísica e estética.

Trecho da música Clube da Esquina n°2:

“Porque se chamava moço

Também se chamava estrada

Viagem de ventania

Nem lembra se olhou pra trás

Ao primeiro passo, aço, aço, aço…..

Porque se chamavam homens

Também se chamavam sonhos

E sonhos não envelhecem

Em meio a tantos gases lacrimogênios

Ficam calmos, calmos, calmos”

Tatyane Estrela, 26 anos

Insatisfação familia, quer entender o mundo, questionar sobre ele. Tem interesse por teatro; expressão artística; ciência, tecnologia e arte. Busca se encontrar diante dos diversos caminhos. Teve uma criação religiosa e tem uma perspectiva crítica sobre a religião. Saiu de casa cedo e estudou logística. Teve um percurso amplo em busca de se encontrar. Atuou no serviço público. Veio parar na filosofia quando não encontrou respostas em lugar nenhum. Questionamentos não acabavam e chegou a fazer parte da corrente política do PSOL, LSR – Liberdade, Socialismo e Revolução. não consegue mais seguir modelos, o ambiente ideal é o do questionamento. Cita sua orientadora, Andrea Paula dos Santos, como pensadora, questionadora, como cientista da desconstrução.

Interesses filosóficos: epistemologia, filosofia da ciência, filosofia como ação política e filosofia da diversidade.

“Filosofar para viver, ou viver para filosofar” Estrela.

Encaminhamentos

Foi observado que todos os participantes têm a negação do que está posto como fator que os levou a filosofia.

Houve a discussão final sobre um nome a ser dado ao grupo, que representa-se o mesmo. Depois de longas e acirradas colocações, entre elas a possibilidade de criar uma nova palavra para nomear o grupo, decidiu-se adotar o nome inicial Apoena, que na extinta língua significa “aquele que enxerga longe”. Seu uso no entanto extrapola essa definição, que pode dar a impressão de um surto iluminista no grupo. Aqui o “enxergar longe” têm um sentido mais amplo e sua nova conceituação está em construção.

Para o próximo encontro ficou decidido estudar a questão “o que é filosofia” sobre as mais diversas perspectivas. E a criação do blog irá permitir tanto o contato como a difusão das atividades. Um grupo no facebook foi criado com o nome Apoena.

Grupo de Filosofia

1ª Reunião do grupo de filosofia da UFABC – 26/04/2011

“Vou mostrando como sou e vou sendo como posso” Novos Baianos – Mistério do Planeta

Membros fundadores do grupo:

Alex

Gabriel

Rafael Bernardo

Rafael Cavalcanti

Tópicos e sugestões discutidos no encontro:

  • Criação e estruturação – de pelo menos o “núcleo duro”, ou seja, formal – das metas e objetivos do grupo:
    • Consolidar a presença da Filosofia internamente (com enfoque principal nos discentes da universidade) e externamente ao ambiente acadêmico (inicialmente na comunidade local e com decorrer do amadurecimento do grupo expandir o campo de atuação pedagógica)
    • Ferramenta pedagógica para o próprio desenvolvimento do discente
    • Criação de projetos de extensão universitária
  • Metodologia das reuniões
    • Fortificar a coesão do grupo através do compartilhamento da vivência de cada integrante e expor as experiências pessoais que o levaram ao estudo filosófico
    • Brainstorm artístico no inicio de cada reunião servindo como introdução do tema escolhido.
    • Retomar o assunto discutido no encontro anterior
    • Organizar passeios/eventos/palestras do grupo
  • Multimídia: criação de blog, grupo Google, twitter e etc

Raffaello Sanzio detalhe do afresco em Stanza della Segnatura.Olá,

Este blog foi criado com o objetivo de organizar, agregar e difundir as ideias e as atividades do grupo de estudos filosóficos disciplinares Apoena. Fundado a partir da reunião de estudantes do Bacharelado em Ciências em Humanidades que pretendem cursar filosofia, o grupo pretende reunir pessoas interessadas em discutir questões filosóficas sobre uma perspectiva transdisciplinar, inovadora e criadora, que permita uma produção intelectual crítica, arrojada, sem desconsiderar uma sólida fundamentação teórica.

Os encontros são denominados Atos e serão divulgados e relatados por meio deste blog. O próximo encontro está marcado para quarta-feira dia 01 de junho de 2011, logo após o almoço em Sao Bernardo do Campo, e possivelmente durará até o anoitecer, no RU (Restaurante Universitário). Tem como tema “O que é filosofia?” e espera-se dos participantes que tragam materiais para discussão, além da apresentação pessoal dos mesmos.

Autores

Apoena